Cobra Kai: Saiba como a série está corrigindo os erros de Karatê Kid

Karatê Kid entrou para a história do cinema, a franquia de filmes foi um grande sucesso desde a sua primeira produção, que trazia a história de Daniel Larusso, um jovem pobre que aprendeu Karatê com um velho mestre para se defender do bullying que sofria.

Apesar do bom roteiro e de ter uma trama cativante, toda a franquia sempre teve vilões caricatos, que não possuíam uma boa motivação e que não tinham sua personalidade bem explorada.

Quando a série Cobra Kai foi criada, ela tinha como intuito mostrar os personagens atualmente, porém na perspectiva de Johnnhy Lawrence, que é considerado um dos vilões do primeiro filme, revelando as particularidades de sua vida, seus erros e a busca dele por redenção.

Entretanto a primeira temporada foi mais além e desconstruiu o protagonista da franquia, revelando o lado arrogante e mimado de Daniel. Infelizmente parece que até hoje alguns fãs desta ótima produção da Netflix, ainda não entenderam a mensagem central da série e continuam compreendendo que existe apenas um lado correto em toda a história.

Mas basta fazermos uma breve reflexão, que entenderemos que Cobra Kai é mais profunda do que parece e faz uma crítica ao conceito de maniqueísmo, mostrando que não somos totalmente bons ou maus, e que todos nós cometemos erros e acertamos, aliás muitas vezes julgamos o próximo de forma equivocada, sem saber de sua vida pessoal e de suas motivações.

Cobra Kai faz um grande trabalho mostrando a vida pessoal de cada um dos personagens, fazendo com que possamos sentir empatia por eles, até quando cometem ações equivocadas.

Mesmo os personagens da série que podem ser considerados vilões, como John Kreese e Terry Silver possuem profundos traumas em suas vidas que os levaram à ter atitudes moralmente questionáveis.

Até agora, Cobra Kai tem conseguido melhorar a abordagem aos personagens da franquia original e tem se mostrado mais do que uma obra de entretenimento, nos trazendo uma importante mensagem.