Executivo da Disney aborda a polêmica envolvendo os créditos de 'Mulan'

Executivo da Disney aborda a polêmica envolvendo os créditos de 'Mulan'

O caminho para chegar até o filme de Mulan não foi fácil. O filme sofreu vários adiamentos devido à pandemia de Coronavírus antes de ser lançado oficialmente na plataforma do Disney+. Muitos pediram um boicote ao filme devido à defesa protagonizada pela atriz principal, Liu Yifei, contra a polícia de Hong Kong durante os protestos na cidade. Agora o filme passa por outra polêmica por conta dos seus créditos de colaboração.

Os créditos do filme agradecem especificamente ao Departamento Municipal de Segurança Pública de Turpan. A organização, no entanto, é altamente polêmica e está ligada ao que foi descrito como opressão e genocídio cultural de grupos muçulmanos na região. Durante a Conferência Virtual de 2020 de Mídia, Comunicações e Entretenimento do Bank of America, o CFO da Disney abordou por que o crédito estava lá em primeiro lugar:

“Não sou um prognosticador de bilheteria, mas gerou muita publicidade. Deixe-me apenas colocar algo no contexto. Os fatos reais são que Mulan foi filmado principalmente – quase na totalidade – na Nova Zelândia. Em um esforço para retratar com precisão algumas das paisagens e geografia únicas do país da China para este drama de época, filmamos cenários em 20 locais diferentes na China. É do conhecimento geral que, para filmar na China, você deve ter permissão. Essa permissão vem do governo central.

[É uma prática comum] reconhecer nos créditos de um filme os governos nacionais e locais que permitiram que você filmasse por lá. Portanto, em nossos créditos, reconhecemos a China e as localidades da Nova Zelândia. Eu simplesmente deixaria por isso mesmo, mas acabou gerando muitos problemas para nós”.

O live-action de Mulan, da Disney, é estrelado por Liu Yifei, Donnie Yen, Yoson An, Gong Li, Jimmy Wong, Tzi Ma e Jet Li.

Ver comentários